Aracaju

ARACAJU

 

Aracaju (do tupi-guarani “ará”, ´papagaio´, e “acayú” , ´fruto do cajueiro´), significa “cajueiro dos papagaios”. Foi uma das primeiras capitais brasileiras a ser planejada. O projeto desafiou a capacidade da Engenharia da época, face à sua localização numa área dominada por pântanos e charcos. Todas as ruas foram arrumadas geometricamente, como um tabuleiro de xadrez, para desembocarem no Rio Sergipe.

 

Duas coisas nos chamaram a atenção nessa cidade: o povo gentil e bem-humorado e a preocupação em oferecer entretenimento aos pequenos. É uma cidade extremamente “child-friendly”! Há espaços voltados para eles em todos os restaurantes que visitamos, nos quiosques das praias e até nas praças públicas! Como sentimos falta desses espaços no Rio de Janeiro, cidade em que vivemos! Ah, a cerveja sempre estupidamente gelada, em qualquer lugar, também chamou nossa atenção! 😊

 

Passarela do Caranguejo

Ficamos hospedados próximo à Passarela do Caranguejo. Imaginamos que seria melhor do que mais ao norte, na orla de Atalaia, porque é mais perto das praias mais famosas e poderíamos sair à noite para comer sem precisar do carro. Fizemos isso na primeira noite, mas de uma próxima vez acho que vamos escolher a outra opção. Acabamos indo jantar lá nas outras duas noites! Há opções para todos os gostos, e uma boa relação custo-benefício.

 

Área infantil Amanda
Área infantil Rei da Sopa

 

Na Passarela do Caranguejo experimentamos o Amanda e o Rei da Sopa, um ao lado do outro. Apesar do primeiro ser mais famoso, achamos os dois bem parecidos e o preço do segundo bem melhor! No segundo dia fomos à República dos Camarões (muito bom!). No terceiro as crianças pediram pizza. Fomos ao Conversa Fiada, que serve rodízio de pizza mas também tem um buffet self-service para agradar a todos. Além da boa comida, os quatro oferecem uma área infantil, que permitiu que as crianças não ficassem entediadas e os papais pudessem conversar e curtir a noite.

 

 

Área infantil República dos Camarões
Área infantil pública no Atalaia

 

Ficamos três dias e quatro noites em Aracaju, um tempo legal para conhecer a cidade sem correria.

No próximo post vamos falar um pouco sobre o que fazer na cidade. Vem com a gente!

São Francisco – Golden Gate Park

São Francisco – Golden Gate Park

 

Golden Gate Park

 

O Golden Gate Park, ao contrário do que possa parecer, não fica próximo à famosa ponte. Se localiza na parte noroeste da cidade, enquanto a Golden Gate fica na região nordeste.

O parque é maravilhoso, e merece um dia inteiro reservado pra ele. Tivemos alguns contratempos nesse dia, nos obrigando a chegar mais tarde do que o previsto. Só tivemos tempo de conhecer o California Academy of Science, que vale muito a visita. Chegamos e fomos logo garantir a troca de ingressos para o planetário, que foi legal, mas esperávamos mais. Ainda estavam na nossa programação observar a cidade de São Francisco do observatório que fica na cobertura do The Young Museum, mas não conseguimos subir; passear no Japanese Tea Garden (grátis até às 10h) e dar uma passada no Conservatory of Flowers.

Deixo aqui duas sugestões de leitura que são verdadeiros “manuais” do parque, não nos deixando muito mais pra falar:

San Francisco: desvendando o Golden Gate park

Golden Gate Park: modo de usar

Depois ainda demos uma passada para ver as Painted Ladies, , uma fileira de 5 casas vitorianas pintadas em cores diferentes e com vistas lindas do centro da cidade, sobreviventes do terremoto de 1906, e do grande incêndio que destruiu parte significativa da cidade.

 

Seguimos, então, nosso caminho para Monterey, nos despedindo dessa cidade linda. No próximo falamos um pouco de lá.

São Francisco – Alcatraz

São Francisco – Alcatraz

 

Corredores de Alcatraz

Estava um pouco apreensiva quanto a levar as crianças a Alcatraz. Achava sombrio, mas o marido fazia muita questão, e como isso é raro, tivemos que atender!

 

Caminho para Alcatraz. É aquela ilhazinha lá no fundo.

O ferry que leva a Alcatraz já foi a primeira curtição pras crianças. Levamos o carrinho de bebê sem problema. Programe cerca de 3 horas e leve um casaco leve, não importa o quão bonito o dia comece! Use sapato fechado e confortável, sem sola de couro.

 

Conhecendo as histórias de Alcatraz

As crianças maiores adoraram seguir o áudio-guia (em português!) e conhecer algumas das histórias. No final o de 8 anos ainda disse que seria legal viver lá: os detentos comiam macarrão todo dia e tomavam banho só uma vez por semana! Rs

 

Como é ser detento em Alcatraz

 

Concentração em Alcatraz

E ainda nos brinda com lindas vistas:

 

São Francisco visto de Alcatraz

 

Golden Gate vista de Alcatraz

 

Voltamos mais tarde do que pretendíamos e fomos direto para o Exploratorium. O lugar é simplesmente encantador, principalmente para as crianças. E aí tivemos um impasse: eu já estava desmaiando de fome mas as crianças não queriam ir embora em hipótese nenhuma. Disseram que os lanchinhos que tínhamos levado eram suficientes, e imploraram para ficar.

Exploratorium

Resolvemos, então, deixar os mais velhos, com pulseira de identificação e recomendação de não sair de jeito nenhum e fomos “almoçar” no Ferry Building. Que medo!!! Voltamos e ainda os encontramos chateados porque estava fechando e não conseguiram fazer tudo. Legal saber que curtiram tanto! No próximo contamos nosso último dia em São Francisco.

São Francisco – Golden Gate

São Francisco – Golden Gate

 

Passeio de bicicleta em São Francisco

 

Nossa intenção em São Francisco era ficar no Vista Point, um estacionamento para RV no final da Golden Gate. Já imaginou a vista que teríamos do nascer do sol, com a Golden Gate e a cidade de São Francisco ao fundo? Deve ser simplesmente apaixonante! Mas, a esta altura, já tínhamos descoberto que, para nossa família, o “free camping” não era uma boa opção. Somos seis pessoas, e precisamos encher o tanque de água limpa e esvaziar os outros mais ou menos a cada dois dias (economizando!). Resolvemos deixar o RV num camping próximo ao Candlestick Park e conhecer a cidade a pé.

 

Bondinho de São Francisco

Mas primeiro estacionamos na Larkin Street e descemos a pé a rua mais íngreme dos EUA: Lombard Street!

Lombard Street

 Depois passamos na Blazing Saddles para alugar nossas bicicletas e atravessar a Golden Gate de um jeito especial. Estávamos um pouco apreensivos, afinal são 4 crianças sem muita prática com bicicletas. Mas foi demais! Adoramos a experiência, que ficou gravada na memória de todos! O único “problema” é que me cobram para encaixar um passeio de bicicleta em todas as viagens, agora! Rs

 

Prontos para o início da aventura!

Não esqueça de se proteger do sol e de levar água, e programe tempo para fazer o passeio sem correria. O trajeto não é difícil (apesar de alguns aclives até chegar à ponte), mas as vistas são tão lindas que paramos muitas vezes para apreciar e tirar fotos.

 

Já avistamos a Golden Gate

 

Golden Gate chegando…

 

Quase lá!

 

Na Golden Gate

Do outro lado, conhecemos e almoçamos em Sausalito. Testamos a dica da Maryanne e aprovamos: http://hotelcaliforniablog.com/2008/11/11/sausalito-e-um-charme-so/http://hotelcaliforniablog.com/2014/02/17/o-melhor-hamburguer-de-sausalito-e-quem-sabe-de-sao-francisco-tambem/

Depois pegamos o ferry para voltar e aproveitamos para trocar o voucher do CityPass no Pier 33. Devolvemos as bicicletas e voltamos pro camping pra nos preparar para o próximo dia em São Francisco!

Chicago History Museum

Chicago History

Museum

 

Começamos nosso passeio por Chicago pelo museu histórico da cidade.

 

Chicago History Museum
Chicago History Museum
Chicago History Museum
Chicago History Museum
 Foi uma boa introdução e nos ajudou, por exemplo,  a entender como o grande incêndio de 1871 destruiu grande parte da cidade. De acordo com a lenda, Catherine O’Leary, uma pobre imigrante irlandesa, viveu com seu marido e 3 filhos no sudoeste da cidade. Mrs O’Leary criava muitas vacas e vendia o leite. Uma das vacas teria acidentalmente iniciado o incêndio no celeiro. Uma investigação oficial não foi capaz de confirmar a causa do incêndio, mas Mrs O’Leary foi o bode expiatório para o desastre por mais de um século. Finalmente, em 1997, a cidade de Chicago adotou uma resolução formal absolvendo Catherine O’Leary – e sua vaca – de qualquer culpa relacionada ao incêndio.
A cidade atraiu arquitetos de renome e foi rapidamente reconstruída. Foi desenvolvido um plano de desenvolvimento urbano e hoje a cidade é reconhecida internacionalmente por sua arquitetura. Em 1885 foi construído o primeiro arranha-céu de metal, e em 1890 Chicago já era a segunda maior cidade dos Estados Unidos, atrás apenas de Nova Iorque.
Em 1920, Chicago e seu subúrbio eram dominados por gângsters. A fabricação e venda de bebida alcoólica era ilegal – e lucrativa. Gangsters de Nova Iorque (Johnny Torrio e Al Capone) se mudaram para a cidade e organizaram gangues brutais, interessados no tráfico de bebida alcoólica, prostituição, jogo e extorsão. Em 1929, depois do massacre de St. Valentine’s Day, os habitantes de Chicago exigiram que as autoridades finalmente tomassem uma atitude.

 

Chicago History Museum
Chicago History Museum

 

O museu fala ainda dos esportes da cidade, das artes, da comida, … Mergulhamos em sua história e cultura, o que nos ajudou a entender a alma de Chicago.
O ingresso dá direito a um tour auto-guiado. Mas é necessária uma boa dose de concentração e curiosidade, além de algum domínio da língua inglesa. Crianças ficariam entediadas aqui.
E você, conhece o museu? Ou esse tipo de visita não é a sua “praia”? Conta pra gente! 

 

Chicago: CityPASS ou Go Chicago Card?

Chicago:

CityPASS ou

Go Chicago Card?

 

Sempre que visitamos os Estados Unidos, a primeira coisa que pesquisamos são os dois passes, que existem não só em Chicago mas em muitas cidades turísticas de lá. A lista de atrações de cada uma nos auxilia, inclusive, a conhecer o que a cidade tem de mais representativo para mostrar.
Vamos conhecê-los?
Chicago CityPass:
Chicago Citypass
O ingresso inclui:
1
Shedd Aquarium
2
Skydeck Chicago
3
The Field Museum
4
Museum of Science and Industry   OU   360 CHICAGO
5
Adler Planetarium   OU   Art Institute of Chicago
Duração:
O voucher pode ser trocado pelo talão em até 6 meses após a data da compra. E o talão tem validade de 9 dias a partir do primeiro uso.
Como comprar:
No site ou em uma das atrações contempladas. Se comprar online você pode imprimir o voucher ou baixar o aplicativo. O voucher, tanto o impresso quanto o apresentado em dispositivo móvel, deve ser trocado pelo talão na primeira atração visitada. Há ainda a opção de solicitar que o talão seja enviado ao seu hotel nos Estados Unidos ou Canadá.
Go Chicago Card:

Go Chicago Card

O passe do smartdestinations oferece várias opções de compra, e pode ser “moldado” de acordo com seus interesses.
A opção mais comum é a “All-Inclusive”, na qual você paga pelo número de dias em que quer usar (1, 2, 3 ou 5) e escolhe, em uma lista de 26 atrações, o que quer visitar. Você pode conhecer quantas conseguir no tempo comprado. Após o primeiro uso o passe deve ser usado em dias sequenciais.
A segunda opção é a “Explorer”, na qual você pode escolher 3, 4 ou 5 atrações quaisquer numa lista de 25 opções. Após ativação do passe, ele é válido por 30 dias.
A última opção é a “Buid Your Own”. De uma lista de 27 atrações, podem ser escolhidas quantas você quiser. A partir de 2 há um desconto para cada uma que pode ser de 15 a 25%, dependendo do número escolhido. Também válido por 30 dias a partir da ativação.
Duração:
A duração do passe varia dependendo do tipo escolhido, e está descrita acima. A empresa tem uma política de garantia de risco zero: se por alguma razão o passe não for ativado em 1 ano após a compra eles reembolsam o valor inteiramente, sem questionamentos. Pelo menos é o que dizem! Rs
Como comprar:
No site. Não há necessidade de trocar o voucher. O passe pode ser impresso em casa ou apresentado no dispositivo móvel em cada atração.

 

Mas afinal qual escolher?
 O melhor passe depende do tempo que você tem para conhecer a cidade e do que quer conhecer. Nossa estratégia é listar o que nos interessa, colocar o preço de bilheteria e quanto sairia com cada passe e comparar. Se o valor for parecido damos preferência ao Go Card, já que possui uma lista maior com atrações que, mesmo não estando em nossa lista original, podem ser visitadas sem custo. Além disso, inclui de aluguel de bicicleta a passeios de barco, além das entradas.
Nossa opção foi o Go Chicago Card All-Inclusive de 5 dias. Foi ótimo! A única ressalva foi a falta do “fura-fila” no SkyDeck Chicago (Willis Tower). Amargamos 1 hora na fila enquanto víamos os portadores do CityPass passarem direto!
O CityPass oferece entrada vip em todas as atrações. O Go Card em muitas delas. Mas, com o tempo que tínhamos e tudo o que queríamos conhecer, ainda acho que foi a melhor opção. Quase tivemos que diminuir a viagem por compromissos de trabalho e, se isso tivesse acontecido, o CityPass seria o mais adequado.
Qual passe funcionaria melhor para você? Conta pra gente!

 

Chicago – Roteiro de Viagem

Chicago – Roteiro de Viagem

Chicago –

Roteiro de Viagem

 

O que conhecer em Chicago? Chicago é uma grande cidade, a terceira mais populosa dos EUA, atrás apenas de Nova York e Los Angeles. É pouco visitada por brasileiros, mas tem atrações para todos os gostos e idades.
Chicago skyline - Foto do Wikitravel
Chicago skyline – Foto do Wikitravel
Viajamos sozinhos (mamãe e papai) dessa vez, mas a cidade tem muito mais a oferecer às crianças do que imaginávamos.
Aproveitamos muito essa mini lua-de-mel, conhecemos mais coisas do que conseguiríamos com a tropinha (viajar com 4 crianças exige um roteiro mais calmo, com mais tempo entre e durante as visitas – “mãe, quero ir ao banheiro”, “pai, tô com fome”- rs). Mas nós nos pegamos várias vezes comentando como um gostaria de ver isso, ou outro de fazer aquilo.
Ficamos na cidade por 3 dias inteiros, mais os dias de chegada e partida. Compartilhamos aqui nosso roteiro, esperando poder ajudar a programar o seu.
Nos próximos posts contaremos um pouquinho de cada atração que visitamos. Os horários entre parênteses indicam o horário de funcionamento de cada uma, na primavera, estação em que visitamos a cidade. Ter essa informação a mão é bastante útil se você gostar do que estiver visitando, e quiser ficar um pouquinho mais sem perder as outras. Ou se gostar tanto que precisará reorganizar os outros dias, incluindo o que não conseguiu fazer naquele!
Os horários previstos para cada atração servem apenas para ajudar a programar o roteiro e ter uma ideia, no dia, se vai dar pra seguí-lo. Algumas vezes acertamos, outras erramos feio! Não nos prendemos a ele. Incluímos lugares que não estavam previstos inicialmente, tivemos que deixar outros para outra visita. Faz parte da liberdade da viagem. Mas, com certeza, conseguimos aproveitar melhor nosso tempo assim. Venha com a gente e boa viagem!
Dia (sex):
13h- Chicago History Museum (9:30-16:30h). Almoço no cafe?
16h- Conservatory (9-17h), Lincoln Park, zoo (6-23h)
Dia (sab):
9h- Hop-on Hop-off (9-17h)
9:10h- Willis Tower (9-22h)
10:40h- Art Institute of Chicago (10:30-17h)
14:40h- Fazer tour do ônibus até the Water Tower (+/-50min)
15:40h- 360 Observation Deck (9-23h)
17h- Andar até Navy Pier (30min). Trocar ingresso Lake Tour.
17:30h- Conhecer Pier. Rides.
18:30h- Classic Lake Tour (10:30-19:30h)
19:30h- Assistir show de fogos. Jantar
22h- Pub
Dia (dom):
10h- Pegar bicicletas (9-22h)
10:30h- The Field Museum (9-17h). Almoço
14:30h- Adler Planetarium (9:30-16:30h)
15:40h- Shedd Aquarium (9-18h)
17:30h- Millennium Park. Buckingham Fountain. Cloud Gate. Pic-nic?
21h-  Jantar num bar de blues.
Dia (seg):
10h- Robie House (9:30-16:30h)
12h- Museum of Science and Industry (9:30-16h)
Dia (ter):
Compras e embarque.

Yosemite Park

Yosemite Park

 

 

 

Yosemite Park

 

 

 

No oitavo dia da nossa viagem a programação era pegar a estrada em direção ao Yosemite Park. Estávamos no Balboa RV Park, um camping ao norte de Los Angeles. Acordamos, demos uma “geral” na casinha, lidamos com os reservatórios, esvaziando os de dejetos e enchendo o de água, conferimos gás e combustível e os suprimentos e pé na estrada.
Trajeto Los Angeles - Yosemite Park
Trajeto Los Angeles – Yosemite Park
Nesse mapa dá pra entender melhor a posição do Parque no estado. Estávamos indo para o norte, e esperando que a temperatura baixasse, mas continuou bem agradável. Há quatro entradas principais para o Parque: Arch Rock (Hwy 140), South Entrance (Hwy 41), Big Oak Flat (Hwy 120 oeste) e Tioga Pass (Hwy 120 leste).  Entramos pela hwy 120 leste. Ao chegar próximo ao parque, perdemos todo o sinal de telefone e internet. Ficamos completamente isolados do mundo até depois de sair dele, três dias depois. No Parque, vimos pessoas usarem o celular normalmente, mas é bom saber que isso pode ocorrer e avisar aos parentes que você pode ficar incomunicável antes de chegar! É importante, também, encher o tanque antes de entrar no Parque. Lá são poucos os postos, com preços mais altos.
A ideia era ir direto ao Mariposa Grove ver as sequoias gigantes. Porém, chegamos mais tarde do que o esperado e fomos direto para o Wawona Camping. E aqui aproveitamos para falar sobre as opções de hospedagem, que são basicamente três:
  • Se você estiver viajando de motorhome ou levando sua barraca, a opção mais indicada são os campings públicos. Eles ficam dentro do parque e são lindos! Os dois que ficamos eram bem cuidados, com um rio que corta o camping. Há dois inconvenientes: normalmente é necessária a reserva de abril a setembro, que é feita online, através do pagamento de uma taxa, com 5 meses de antecedência. Só que a procura é muito grande, e se você não tiver esse tempo de antecedência do planejamento, suas chances de conseguir um “site” são pequenas. Li as avaliações e escolhi o site que eu queria reservar. No dia da abertura da agenda, às 13h (hora do Rio de Janeiro, correspondendo às 7horas na California), eu já estava com todo o processo preparado, apenas para confirmar no momento em que abrisse e … não consegui o site que queria. Consegui outro, que no final não fez muita diferença. Mas estávamos indo em Abril, acredito que a procura em julho ou agosto seja ainda maior. A outra desvantagem é que não há energia disponível, apenas na área comum, o que não foi problema já que tínhamos o gerador para usar o microondas ou o aquecedor (à noite a temperatura caiu bem!).
  • Outra opção são os hotéis dentro do Parque. Como pode-se imaginar, seus preços não são muito amigáveis. Mas, segundo relatos, tem seu charme.
  • A última opção são os hotéis nas cidades próximas ao Parque. Seus preços são consideravelmente inferiores aos hotéis do Parque, mas é necessário sair (e no dia seguinte retornar), perdendo bastante tempo. Quando se está viajando com crianças, então, essa opção é bastante complicada. Vale pesar o que funciona melhor pra você.
Wawona Campground
Wawona Campground
Wawona Campground
Wawona Campground
Ficamos com medo dos vários avisos para não deixar alimentos, produtos de limpeza e nada que tivesse cheiro forte no interior da barraca ou do carro, por causa da visita dos ursos, e colocamos tudo no armário disponibilizado por eles. No dia seguinte descobrimos que, no caso dos RVs, isso não era necessário. Melhor prevenir, né?
Sequoias gigantes no Mariposa Grove
Sequoias gigantes no Mariposa Grove
California tunnel tree, Mariposa Grove. Yosemite National Park, California, USA.
California tunnel tree, Mariposa Grove. Yosemite National Park, California, USA.
No dia seguinte fomos finalmente conhecer as sequoias gigantes. Deixamos o “carro” no centro de visitantes e fomos de ônibus (incluso no ingresso). Há opções de trilhas para todos os gostos, a partir do ponto que o ônibus nos deixa. Não fizemos a maior mas andamos bastante, mesmo com os 3 meninos (11, 8 e 5) andando e a caçula (1) na “mochila”, nas costas. Foi tranquilo, e ficamos bem impressionados. Abusamos das fotos panorâmicas para conseguir enquadrar as “arvorezinhas”. Lembrando que, como perdemos as fotos, as que ilustram esse post foram emprestadas da web.
Encontramos um excelente guia para quem vai visitar o Yosemite no MauOscar. Obrigada Mauricio e Oscar!
No próximo post continuaremos nosso passeio pelo Yosemite National Park. E você, já foi ao Yosemite? Gostaria de ir? Conta pra gente!

 

 

 

 

 

 

 

 

LEGOLAND® California

Existem, na verdade, três atrações no mesmo local: o SEA LIFE® Aquarium, o LEGOLAND® Water Park e o LEGOLAND® California, o parque propriamente dito. O parque aquático fica dentro do parque principal, sendo necessário adquirir os dois ingressos, e o aquário fica ao lado dele, do lado de fora.

Só tínhamos um dia e queríamos conhecer os três parques, apesar de ter lido que isso não seria possível, sendo melhor escolher duas das três atrações. Chegamos cedo e fomos direto para o aquário, já que ele normalmente abre um pouco antes dos outros. Conseguimos conhecer os três. Mas claro que isso é mais fácil num dia em que o parque fecha às 8 ou 9 da noite do que quando fecha às 4 da tarde. Por isso vale se planejar para escolher o melhor dia para ir!

 

Escultura de Lego do Sea Life
Escultura de Lego do Sea Life

 

As crianças entram por um túnel e aparecem "dentro" do aquário
As crianças entram por um túnel e aparecem “dentro” do aquário

 

Sea Life
Sea Life

 

O aquário é bem legal, com uma área impressionante de águas-vivas (jellyfish), espaços para as crianças brincarem e, claro, esculturas de LEGO, dentro e fora dos aquários. Mas nada que leve mais de duas horas. Ainda mais com a ansiedade das crianças para entrar no parque! Aqui você encontra o mapa oficial do aquário para se programar. Os horários de funcionamento variam, mas podem ser encontrados aqui.

 

As esculturas de LEGO surpreendem a todos, principalmente aqueles que gostam do brinquedo.  A surpresa na cara dos pequenos ao explorar cada escultura é sensacional! Levamos uma máquina digital compacta para que eles pudessem fazer suas próprias (centenas) de fotos, de cada detalhe que interessou, e eles curtiram muito. A pequena adorou brincar com o LEGO gigante. E, claro, todos se esbaldaram nos brinquedos.

Dragão no LEGOLAND® California. Depois encontramos seus ovos!
Dragão no LEGOLAND® California. Depois encontramos seus ovos!

 

Star Wars: uma das áreas preferidas das crianças
Star Wars: uma das áreas preferidas das crianças

 

Alguns brinquedos molham!
Alguns brinquedos molham!

 

Brinquedo do Legoland
Brinquedo do Legoland

 

Até na entrada dos restaurantes há esculturas de LEGO convidando a entrar!
Até na entrada dos restaurantes há esculturas de LEGO convidando a entrar!

 

Os horários também variam. Este é um mapa que ainda informa as restrições de altura para cada brinquedo.

 

O Water Park, como já foi dito,  fica dentro do LEGOLAND. Neste tivemos pouco tempo, mas foi suficiente, já que não interessou tanto aos maiores. Os pequenos, claro, adoram água de todas as formas, e curtiram bastante. Os grandes também gostaram, mas, apesar do pouco tempo, não ficaram frustrados, disseram ter conhecido tudo o que queriam.

LEGOLAND® Water Park
LEGOLAND® Water Park

 

Este parque não abre o ano todo, funciona mais ou menos de março a agosto, e nos fins de semana de setembro e outubro. Confira aqui qual o horário de funcionamento.

 

O complexo também inclui um hotel temático, que inclui vantagens para hóspedes como entrada antecipada no parque. Os quartos são temáticos, e você pode escolher um dos quatro temas oferecidos. O café da manhã está incluído na diária. Mas achamos a diária salgada, e tínhamos nossa “casinha” nos esperando. Para quem não acompanhou, no roteiro desta viagem contamos nossa opção de hospedagem.

 

5 motivos para você incluir San Diego em sua viagem pela Califórnia

San Diego fica a 194 km (cerca de 2h) ao sul de Los Angeles. Normalmente a cidade não é incluída nos roteiros de viagem pela Califórnia, mas isso é uma injustiça! É cheia de atrações, principalmente se você viaja com crianças. Como o tempo normalmente é escasso nas viagens e os interesses diferentes, vale selecionar o que mais agrada ao seu grupo e analisar como comprar os ingressos para as atrações escolhidas mais barato. Há cupons de desconto na recepção dos hotéis e programas como o CityPass sul da Califórnia e o Go San Diego Card. Optamos por este último e ainda incluímos o Legoland California no passe.

San Diego

 

Uma das atrações mais famosas é o  San Diego Zoo. Zoológicos não são nossas atrações preferidas, mas não são todos que tem um panda, emprestado pelo Governo da China, fora deste país. Não teve jeito: entramos na fila para ver o “ursinho”, animal que sempre tive vontade de conhecer! E depois difícil foi resistir à vontade de levar os pandinhas (grandes e pequenos, sozinhos ou com suas famílias) vendidos nas lojinhas do parque.

Eles oferecem um “guided bus tour” que dura cerca de meia hora e cobre 70% da área do zoo (incluído no preço do ingresso normal). Sugiro sentar no segundo andar para uma melhor visão. É fácil andar com o carrinho de bebê e achamos muito útil levá-lo, já que as distâncias percorridas são grandes e os pequenos ficam cansados! O estacionamento é gratuito. O horário de funcionamento varia no decorrer do ano e pode ser conferido aqui.

 

Mapa do San Diego Zoo
Mapa do San Diego Zoo

 

Ele fica localizado no Balboa Park, que oferece muitas outras atrações que agradarão a todos os gostos, como centro de ciências, museu de história natural, museu do ar e espaço, museu automotivo, jardim japonês, carrossel, trenzinho, parquinhos,… Me arrependi de não ter planejado um tempo maior no parque!

 

Mapa do Balboa Park San Diego
Mapa do Balboa Park San Diego

 

O Sea World dispensa apresentações (o horário de funcionamento varia e pode ser conferido aqui). Foram as primeiras montanhas-russas dos meus filhos de 5 e 8 anos (o menor só não pode ir na Manta, que tem altura mínima de 1,22m, e ficou bem chateado!). Eles se apaixonaram! Há atrações para todas as idades, e até a bebê (1 ano) se divertiu muito. Outra coisa que gostaram muito foram os shows. Passaram boa parte da viagem imitando os sons dos leões marinhos.

Há atrações (e shows, dependendo de onde você sente), que podem te deixar encharcado. É aconselhável levar toalha e uma muda de roupa, pelo menos para as crianças. Uma dica do parque é planejar estar em alguma área fresca no meio do dia em épocas mais quentes. Estas incluem o Wild Artic, o Penguin Encounter, o Turttle Reef, o Shark Encounter ou um dos três aquários.

 

SeaWorld San Diego
SeaWorld San Diego

 

Aquário Sea World San Diego
Aquário Sea World San Diego

 

Nosso quarto destaque é o USS Midway (10-17h), um museu porta-aviões (ou porta-aviões museu?) muito legal, mesmo pra quem não tem muito interesse em guerras e afins. Você pode fazer um áudio tour auto-guiado (incluído no valor do ingresso) que permite que cada um visite no seu ritmo, e pule o que não tem interesse. Ali perto ainda está a famosa Estátua do Beijo do Marinheiro, para as tradicionais fotos. Depois você pode escolher entre o Seaport Village, uma espécie de shopping ao ar livre, ou o Gaslamp Quarter (entre a 4. e a 8. av.).

USS Midway Museum
USS Midway Museum

 

Mas a atividade que mais marcou as crianças foi a aula de construção de castelo de areia com o San Diego Sand Castles, principalmente os dois mais velhos. O de 5 anos fazia os detalhes de decoração com mamãe, e a de 1 ano foi mantida pelo pai a uma distância segura da construção, brincando na beira da água congelante do Pacífico. Depois da obra pronta, eles queriam que o castelo durasse para sempre, e quase choraram quando o pai sugeriu iniciar uma guerra de areia que destruiria a construção! Não é uma atividade barata, mas é a primeira memória quando falamos em San Diego.

 

San Diego Sand Castles
San Diego Sand Castles

 

Um ponto que parece interessante em San Diego é Old Town San Diego Historic Park, que retrata o velho-oeste americano. Chegamos a ir até lá mas, como contei no post do roteiro da viagem, estávamos viajando de motorhome e não encontramos vaga para nossa “casinha” nos estacionamentos próximos. Uma dica para conhecer essa e outras atrações sem ter que se preocupar com estacionamento é o San Diego Trolley.

Para quem quer fazer compras, o Las Americas Premium Outlet fica a apenas 26 km, na fronteira com o México.

 

Obs: Perdemos quase todas as fotos do início da viagem quando troquei o aparelho celular porque o funcionário da loja da Apple não fez o back-up como solicitei. Das fotos desse post só a última é nossa. Recuperamos porque havíamos enviado para a vovó. As outras são da web.

 

']); _gaq.push(['_trackPageview']); (function() { var ga = document.createElement('script'); ga.type = 'text/javascript'; ga.async = true; ga.src = ('https:' == document.location.protocol ? 'https://ssl' : 'http://www') + '.google-analytics.com/ga.js'; var s = document.getElementsByTagName('script')[0]; s.parentNode.insertBefore(ga, s); })();